26/05/2017

Resenha: A Rainha Vermelha

Nenhum comentário:


Título:
A Rainha Vermelha
Autor: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Páginas: 418
Onde comprar: Amazon | Saraiva
Sinopse: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho? Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe — e Mare contra seu próprio coração.

Várias pessoas definem "A Rainha Vermelha", de Victoria Aveyard, como uma junção de “A Seleção” e “Jogo Vorazes”, e eu concordo. Em minha definição, seria “A Seleção” com menos romance e mais política, com alguns elementos que remetem a “Jogos Vorazes” e uma pegada mutante no estilo “X-Men”. Enquanto Kiera Cass privilegiou o romance entre Maxon e America em detrimento da luta política – embora tenha amado a trilogia de “A Seleção”, sempre achei que ela poderia ter descrito as revoltas mais profundamente e de melhor forma -, Victoria Aveyard insere sua protagonista, Mare Barrow, em uma verdadeira guerra de poder, na qual, eventualmente, surge um ou outro romance. Talvez, se a autora tivesse falado um pouco mais dos sentimentos românticos da heroína, a história tivesse agradado mais a alguns leitores, mas isto não faz com que perca seu valor.

24/05/2017

Resenha: Nós - Ievguêni Zamiátin

8 comentários:


Título:
Nós
Autor: Ievguêni Zamiátin
Editora: Aleph
Páginas: 344
Onde comprar: Amazon
Oitavo livro mais vendido em Abril na Amazon
Sinopse: Nós, escrito por Iêvgueni Zamiátin, é a distopia original que inspirou desde grandes clássicos do gênero – Admirável Mundo Novo, 1984, Laranja Mecânica e Fahrenheit 451 – até livros mais recentes – Divergente e Jogos Vorazes. A obra, esgotada há anos no mercado brasileiro, volta em uma edição de luxo com texto traduzido direto do russo e duas leituras complementares. A primeira é uma resenha do livro escrita por George Orwell, autor de 1984, originalmente publicada na revista londrina Tribune em 1946. Orwell ressalta a ousadia política de Nós e indica alguns dos incontáveis aspectos em que Zamiátin inspirou Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. Há também uma comovente carta enviada por Zamiátin a Stálin, pedindo para sair da União Soviética, onde todas as suas publicações estavam sofrendo perseguição política. “Se eu for verdadeiramente um criminoso que merece punição, não creio que mereça uma punição tão grave quanto a morte literária. Por isso, peço que essa sentença seja comutada pela deportação da URSS”, escreve. Em suas páginas, o autor imaginou um governo totalitário chamado Estado Único que, supostamente pelo bem da sociedade, privou a população de direitos fundamentais como o livre-arbítrio, a individualidade, a imaginação, a liberdade de expressão e o direito à própria vida. Um mundo completamente mecanizado e lógico, onde as pessoas não possuem nomes, mas sim números, e o Estado dita os horários de trabalho, de lazer, de refeições e até de sexo. A trama traz a história de D-503, um engenheiro que vive pleno e feliz (exatamente como ordena o grandioso Estado Único), mas começa a duvidar das próprias convicções ao conhecer uma misteriosa mulher que comete a ousadia de bular regras, e que o contamina com a doença chamada imaginação.

'' Não existe revolução final, as revoluções são infinitas. '' 

23/05/2017

Mangá: O Estranho Mundo de Jack

Nenhum comentário:




Título: O Estranho Mundo de Jack


Autor: Tim Burton - adaptação de Jun Asuka

Editora: Abril

Páginas: 178




Sinopse: "Seja bem-vindo ao estranho mundo  de Jack, mestre e senhor absoluto do Halloween. Infalível propagador de sustos nas noites de 31 de outubro. Jack se empolgou com uma outra festa que também ocorre apenas uma vez por ano: o celebrado Natal.
Mas como fica a ordem das coisas quando uma criatura acostumada a espalhar o terror decide comandar um evento tão colorido, terno e reconfortante? Você mesmo vai descobrir a resposta... se tiver coragem e mantiver os olhos abertos e grudados nesta versão mangá da premiada animação escrita e produzida por Tim Burton."


22/05/2017

Semana Editora Valentina: 50% de desconto em todo o catálogo!

Nenhum comentário:


E aí, gente!

Vim contar uma novidade suuuuuuper legal pra vocês: A Editora Valentina e a Saraiva fizeram um acordo que visa ajudar a nós - amantes da literatura - a diminuir o espaço das nossas estantes ahahahha.

21/05/2017

Resenha: Escuridão Total Sem Estrelas - Stephen King

Nenhum comentário:


Título:
Escuridão Total Sem Estrelas
Original: Full Dark, No Stars
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Páginas: 390
Onde comprar: Saraiva
Sinopse: Na ausência da luz, o mundo assume formas sombrias, distorcidas, tenebrosas. Em Escuridão total sem estrelas os crimes parecem inevitáveis; as punições, insuportáveis; as cumplicidades, misteriosas. Em 1922, o agricultor Wilfred e o filho, Hank, precisam decidir do que é mais fácil abrir mão: das terras da família ou da esposa e mãe. No conto Gigante do volante, após ser estuprada por um estranho e deixada à beira da morte, Tess, uma autora de livros de mistério, elabora uma vingança que vai deixá-la cara a cara com um lado desconhecido de si mesma. Já em Extensão justa, Dave Streeter tem um câncer terminal e faz um pacto com um estranho vendedor. Mas será que para salvar a própria vida vale a pena destruir a de outra pessoa? E, em Um bom casamento, uma caixa na garagem pode dizer mais a Darcy Anderson sobre seu marido do que os vinte anos que eles passaram juntos. Os personagens dos quatro contos de Stephen King passam por momentos de escuridão total, quando não existe nada — bom senso, piedade, justiça ou estrelas — para guiá-los. Suas histórias representam o modo como lidamos com o mundo e como o mundo lida conosco. São narrativas fortes e, cada uma a seu modo, profundamente chocantes.
Resenha 


''Odabi abriu ainda mais o sorriso, e Streeter viu algo terrível e formidável: os dentes do homem não eram apenas muitos e grandes demais. Também eram afiados.”

Resenhas: O Diário Secreto de Lizzie Bennet

Nenhum comentário:
A web série produzida para o youtube The Lizzie Bennet Diaries é uma das minhas séries favoritas e eu não me canso de relembrar os melhores momentos dela. Para quem não conhece o The Lizzie Bennet Diaries é uma adaptação moderna de um dos clássicos mais famosos na literatura inglesa, Orgulho e Preconceito, escrito por Jane Austen em 1813. Eu sou suspeita para falar de Austen já que ela foi a romancista que me fez amar a literatura, portanto em uma outra oportunidade posso falar mais sobre suas obras. Nesse momento eu pretendo descrever as minhas impressões sobre O Diário Secreto de Lizzie Bennet, livro publicado após o termino da web série e que trás segredos não revelado durante a apresentação da série.



Título:O Diário Secreto de Lizzie Bennet
Autor: Bernie Su e Kate Rorick
Editora: Verus
Páginas: 364
Onde comprar: Saraiva
Sinopse:Lizzie Bennet é uma jovem estudante de comunicação que resolve fazer um vlog como projeto para a faculdade, postando vídeos em que reflete sobre sua vida e a de suas irmãs. Quando dois amigos ricos e charmosos chegam à cidade, as coisas começam a ficar mais interessantes para as irmãs Bennet — e para os seguidores de Lizzie na internet. De repente, Lizzie — que sempre se considerou uma garota bastante normal — se torna uma figura pública. Mas nem tudo acontece diante das câmeras. E, felizmente para nós, ela escreve um diário secreto... Com reviravoltas que vão deliciar os fãs de Jane Austen, assim como novos leitores, 'O diário secreto de Lizzie Bennet' expande o fenômeno da web série que encantou quase dois milhões de espectadores e faz uma releitura inédita de Orgulho e preconceito.

17/05/2017

Resenha: Revival - Stephen King

Nenhum comentário:

Título: Revival
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Páginas: 371
Onde comprar: Travessa
Sinopse: Uma história eletrizante de Stephen King sobre vício, fanatismo e o que existe do outro lado da vida. Em uma cidadezinha na Nova Inglaterra, mais de meio século atrás, uma sombra recai sobre um menino que brinca com seus soldadinhos de plástico no quintal. Jamie Morton olha para o alto e vê a figura impressionante do novo pastor. O reverendo Charles Jacobs, junto com a bela esposa e o filho, chegam para reacender a fé local. Homens e meninos, mulheres e garotas, todos ficam encantados pela família perfeita e os sermões contagiantes. Jamie e o reverendo passam a compartilhar um elo ainda mais forte, baseado em uma obsessão secreta. Até que uma desgraça atinge Jacobs e o faz ser banido da cidade. Décadas depois, Jamie carrega seus próprios demônios. Integrante de uma banda que vive na estrada, ele leva uma vida nômade no mais puro estilo sexo, drogas e rock and roll, fugindo da própria tragédia familiar. Agora, com trinta e poucos anos, viciado em heroína, perdido, desesperado, Jamie reencontra o antigo pastor. O elo que os unia se transforma em um pacto que assustaria até o diabo, com sérias consequências para os dois, e Jamie percebe que “reviver” pode adquirir vários significados. ''A ideia para este livro está na minha cabeça desde que eu era criança. Frankestein, de Mary Shelley, foi uma grande inspiração para mim. Eu queria criar uma história o mais humana possível, porque a melhor maneira de assustar o leitor é fazê-lo gostar dos personagens''. - Stephen King em entrevista para a revista Rolling Stone. 
''Quando penso em Charles Jacbos - meu quinto personagem, meu agente de mudança, minha Nêmesis -, não ousa acreditar que a presença dele em minha vida tenha qualquer ligação com o destino, pois isso significaria que todas aquelas circunstâncias terríveis - aqueles horrores - estavam fadadas a acontecer. Se for assim, a luz não existe, e nossa crença nela é mera ilusão. Se for assim, vivemos na escuridão, como animais em uma toca, como formigas nas profundezas de suas colônias. 
E não estávamos sós. ''

15/05/2017

Resenha: Opala

11 comentários:
Título: Opala (Saga Lux #3)
Autor(a): Jennifer L. Armentrout
Editora: Valentina
Páginas: 416
Ninguém é igual ao Daemon Black. Quando ele prometeu que iria provar seus sentimentos por mim, não estava brincando. Nunca mais vou duvidar dele. E agora que conseguimos finalmente aparar nossas arestas, bem... Tem rolado muita combustão espontânea. Mas nem mesmo ele pode proteger a família dos perigos de tentarem libertar aqueles que amam. Depois de tudo o que aconteceu, já não sou mais a mesma Katy. Tornei-me uma pessoa diferente... E não sei bem o que isso vai significar no final. Quanto mais nos aproximamos da verdade e nos colocamos no caminho da organização secreta responsável por torturar e testar os híbridos, mais me dou conta de que não existe limite para o que sou capaz de fazer. A morte de um ente querido continua afetando a todos, a ajuda surge do lugar mais improvável, e nossos amigos irão se tornar nossos piores inimigos, mas não podemos voltar atrás. Mesmo que com isso estejamos arriscando destruir nosso mundo para sempre. Juntos somos fortes... e eles sabem disso.
Finalmente saiu o terceiro livro da Saga Lux no nosso amado Brasil. ♥ Depois daquele final de Ônix eu fiquei bastante ansiosa para saber o que aconteceria no terceiro volume e já adianto que não fiquei decepcionada, apesar de ter algumas ressalvas.

Ao contrário de Ônix o relacionamento de Katy e Daemon esta muito mais concreto, eles fazem um casal maravilhoso com suas diferenças de personalidade. Katy tem uma personalidade forte, não se deixa levar pelas coisas que Daemon faz ou fala e mesmo quando algo a afeta ela trata de levantar a cabeça e até mesmo confronta-lo. Eu sinto nela um grande esforço da autora de criar uma personagem girl power em desenvolvimento (afinal, ela é adolescente). Daemon continua o mesmo que todas amam (outra não gostam tanto, né? rs). Ele ainda tem essa auto estima enorme e sempre muito dono de si. A unica coisa que incomoda levemente no personagem é que algumas vezes ele é muito protetor, com essa coisa de eu sou alien, eu sou o forte, eu sou o homem mas como eu falei, Katy não se deixa levar por isso tão facilmente.